DÉBORA DENADAI EM PROSA E VERSO

FAZER POESIA É LAVAR A ALMA FAZENDO SANGRIA...

Meu Diário
12/10/2010 11h03
UM AMOR BONITO

UM AMOR BONITO

     Hoje acordei triste. Uma tristeza que não sei de onde veio nem como começou. Junto dela essa sensação constante de carregar dentro de mim um amor imenso. É um amor bonito, que olha pelas fechaduras sem procurar maldades, só mesmo por ser curioso e menino. Um amor que tem os olhos cheios de luas e estrelas e que acende a noite de quem estiver por perto. É um amor bonito, desses que andam de mãos dadas, silenciosamente, que não perde a cor e nem a esperança. É um amor tão lindo e forte que não me deixa desesperar, não me deixa ficar velha e nem apequenar-me. Um amor que me refaz e reinventa a cada momento. É um amor tão lindo que não acaba mais.
                Por que estou triste? Porque ninguém sabe e não tenho a quem dar...


Publicado por Débora Denadai em 12/10/2010 às 11h03
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/08/2008 10h53
DAS CARTAS QUE NÃO MANDEI
         Todos nós algum dia pensamos algo que deixamos de dizer, escrevemos cartas que nunca enviamos e que continham o que jamais deveríamos ter silenciado, e, numa versão mais atual, escrevemos um e-mail e deixamos de clicar no famoso "enviar". Faltou coragem, faltou fé em que aquilo serviria para mudar alguma coisa, faltou a sensação de que era o correto a ser feito e sobrou vergonha, tristeza e frustração.
         Se você nunca passou por isso, meus parabéns ou, talvez, meus pêsames. Isso nos faz mais humanos. A hesitação, a dúvida, a incerteza. Na falta desses ingredientes, lamento informar, mas você está a meio caminho (ou mais que isso) de se tornar um robô.
          Lendo um livro lindíssimo de Martha Medeiros, "Tudo que eu tinha pra te dizer", vi que ela fez algo que eu tinha pensado e desisti no meio do caminho. O projeto era semelhante, mas não botei fé. Foi uma espécie de e-mail não enviado, de carta que escrevi e não tive coragem pra botar no correio. O livro dela me deu coragem pra começar a série. 
           Vale lembrar que é uma ficção. Algumas coisas poderão até parecer reais, o que é compreensível: os dramas humanos são todos iguais, o que muda às vezes é o nome ou a maneira de contar ou ainda, a perspectiva.
            Aqui começa minha série de "Não enviados". Espero que gostem. Se não, a gente sempre pode deletar. Mas jamais poderá fingir que não leu. As palavras ditas não voltam. Talvez seja por isso que deixamos de enviar.

Beijos e um beliscão na bunda...
D

Publicado por Débora Denadai em 15/08/2008 às 10h53
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/10/2007 10h37
ATENÇÃO SENHORES PASSAGEIROS...

 

Sim, eu to um sacal. Sim, porre é um nome até generoso pra me qualificar hoje. Sim, acho que essa primavera tá uma tremenda falsificação e quero minha grana de volta. E, não, eu NÃO posso e nem to afim de mudar isso.

Acho um saco ter que explicar que vou muito bem obrigada sem ninguém - leia-se, homem - pendurado do meu lado. Sim, é um porre explicar que a equação mulher só = pobre desconsolada-amarga-malamada é a maior bobagem que alguém já teve a infeliz idéia de inventar.

Sim. Enche minha paciência ter que explicar porque não quero isso ou aquilo. Enche minha cabeça de idéias de torturador quando alguém pega no meu santo pezinho quando já deixei bem claro que quero FICAR NA MINHA, CARAMBA!

Eu to um saco. Eu to chata. Se você tava procurando um lugar para buscar auto-ajuda, como ser vítima e ser compreendida e ganhar a piedade alheia, avisamos que errou o alvo, criatura ... Vá até a banca ou livraria mais próxima e procure o último livro do Lair Ribeiro ou similares. Polyanna não mora aqui. Madre Tereza de Calcutá já está no andar de cima faz tempo.

Além disso, esse site é meu. E hoje to com a macaca. Tenho meus direitos reservados.

A gerência agradece.

Beijos e um beliscâo na bunda.


Publicado por Débora Denadai em 09/10/2007 às 10h37
 
01/06/2007 09h53
É PRECISO TER CORAÇÃO...E CORAGEM
...“A palavra coragem é muito interessante. Ela vem da raiz cor, que signfica coração. Portanto, ser corajoso significa viver com o coração. E os fracos, somente os fracos vivem com a cabeça; receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica. Com medo, fecham todas as janelas e portas - com teologia, conceitos, palavras, teorias - e do lado de dentro dessas portas e janelas fechadas, eles se escondem.

...Basicamente coragem é pôr em risco o conhecido em favor do desconhecido, o familiar em favor do estranho, o confortável em favor do desconfortável - árdua peregrinação rumo a algum destino desconhecido. Nunca se sabe se você será capaz de fazer isso ou não. É um jogo arriscado, mas só os jogadores sabem o que é a vida”.
(Osho, do livro: “Coragem, o prazer de viver perigosamente”.)

Há dias em que me surpreendo e não reconheço mais a criatura que me olha no espelho. E , para ser honesta, esses dias vêm se repetindo um após o outro. A cada manhã, a cada olhada que dou para aquela estranha do outro lado, vejo uma pessoa cada vez mais diferente. E querem saber? Eu gosto disso.
Essa que hoje escreve, cada dia mais diversa da de ontem e de algum tempo atrás, é alguém que superou medos. Entendam bem: ela não perdeu os medos que tinha. Ela os administrou, os superou, o que é muito diferente.
Já fui extremamente covarde, excessivamente temerosa, e sim, acomodadíssima. É realmente confortável viver naquilo e daquilo que já conhecemos. Quantas vezes você já viu pessoas que dizem preferir uma situação ruim, mas conhecida do que a possibilidade de algo melhor, mas que ainda não conhecem? A maior parte de nós pensa assim. Este é o problema: a maior parte de nós pensa demais, pondera demais, calcula demais as conveniências. E vive uma vida previsível, morna e, obviamente, insatisfatória e pobre. Estão mortos, mas não sabem.
Não sou uma desarvorada que se atira em precipícios, não como cocô, nem rasgo notas de cem dólares (até porque nem tenho...) . Só não quero mais viver escrava da mente e dos pensamentos. Isso colocaria a perder a melhor parte que encontrei em mim nos últimos tempos e que está resumida numa única palavra: coragem. Eu quero viver, pulsar, sentir a vida. Quando não for mais assim , por favor, podem mandar me cremar. Não servirei para nada. Principalmente não servirei para mim mesma.
BEIJOS E UM BELISCÃO...VOCÊS SABEM ONDE...
DÉBORA

Publicado por Débora Denadai em 01/06/2007 às 09h53
 
17/08/2006 17h25
HOJE ACORDEI ASSIM:
Hoje acordei assim: tem tanta pergunta zoando que até o ponto de interrogação acordou de cabeça pra baixo. Hoje é um daqueles dias que se alimentam dos silêncios que alimentam os mitos, as lendas, os unicórnios e aquelas outras coisas que não se diz por educação.
Mas o diabo anda vestindo fantasia de pergunta com uma interrogação na cara e fica fazendo festa no cérebro dos desavisados e mal acordados: afinal do que nasce um amor? Do que se alimenta o dito cujo? E , só por chateação, alguém sabe do que ele morre? Se alguém tiver aí uma vaga idéia, a gente tá colhendo sugestões...Porque o diabinho tá me enchendo o saco com tanta pergunta.
bjos e um belixcão na bunda
d

(imagem de Pedro Gomes, www.thousandimages.com)

Publicado por Débora Denadai em 17/08/2006 às 17h25



Página 1 de 7 1 2 3 4 5 6 7 [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras